TV Câmara

Programação

Rádio Câmara

André Carvalho - A heroína esquecida da independência da Bahia

Em 7 de setembro de 1822, às margens do Riacho  Ipiranga, o então príncipe regente proclamou a Independência do Brasil. A independência representaria o fim da exploração colonial e autonomia política dos brasileiros. No entanto, apesar da independência ser caracterizada pela pacífica separação política entre Portugal e Brasil, na Bahia tal processo seria caracterizado por lutas intensas. O Recôncavo ainda era o centro da produção açucareira e, no centro de Salvador, os portugueses ainda ocupavam fortes praças comerciais. Devido à sua forte influência econômica, muitos comerciantes pacreditavam no retorno da submissão política do Brasil em relação a Portugal. Com as intensificações do processo de independência, a Bahia entra em guerra, saindo vitoriosa somente em 2 de julho de 1823, quando expulsa definitivamente os portugueses, que ainda resistiam ao reconhecimento da autoridade de D. Pedro I. 

Em celebração às lutas de resistência ocorridas na Bahia, anualmente o 2 de Julho é celebrado com desfile cívico e intensa participação popular, quando se destaca a execução do hino que expressa em sua letra o fim da submissão baiana aos desmandos da coroa portuguesa. 

Dentre os participantes da guerra de independência é comum mencionarmos as figuras masculinas como a do Corneteiro Lopes e Madeira de Melo, dentre outros. A participação das mulheres por muito tempo foi negligenciada. No entanto, novas pesquisas deram maior visibilidade à participação feminina nas lutas pela independência baiana. Dentre elas temos Maria Quitéria, Joana Angélica e Maria Felipa. 

Em uma pesquisa realizada no Arquivo Público da Bahia pela professora e pesquisadora Jamile Palafoz , encontra-se o jornal O Estado da Bahia, de 1933, que traz na sua capa a seguinte chamada: “A glorificação da história pátria ao incomparável heroísmo da mulher baiana” . Observa-se que, apesar de fazer uma referência à participação das mulheres, o jornal não fala da participação de Maria Felipa. Conclui-se, portanto, que, por ser tratar de uma mulher negra, o periódico não hesitou em negligenciar sua participação e importância na luta de independência em terras “itaparicanas”. 

É bem claro como a mulher branca é lembrada por esse jornal, a exemplo da figura de Joana Angélica, vista como um símbolo católico personificado e endeusado na figura feminina. O jornal lembra a imagem de Maria Quitéria, Joana Angélica e Ana Nery. Entretanto, a negra Maria Felipa em nenhum momento é citada pelo referido jornal. Ao contrário, faz referência à baiana Ana Nery, que teve participação na guerra do Paraguai, não tendo nenhuma relação com a Independência da Bahia e, mesmo assim, foi homenageada, ganhando destaque na capa do periódico. Ao tratar de Joana Angélica, o jornal faz a seguinte descrição da Abadessa: 

“Era Joana Angélica o lírio da pureza a Santa Joana Angélica, abadessa da Lapa, bendita flor de inocência, símbolo imaculado da bondade, guarda impoluta da castidade de suas irmãzinhas, que, ao ver a casa de Deus ameaçada de invasão pelas hastes embriagada do General Madeira, expôs a sua carne frágil e palpitante de heroísmo, aos golpes furiosos e profanadores do Convento, deixando que as baionetas lhe atravessassem o peito. Aquele peito tão abençoado em que pulsava um coração que palpitava pelo amor de Deus e pelo amor da Pátria”. 

Esse recorte deixa clara a tendência social e religiosa do jornal de louvar a figura branca feminina.

A descrição do professor Ávaro Jr.  no livro “A Independência da Bahia e do Brasil”, aborda uma visão geral sobre a Maria Felipa como uma negra alta e forte que viveu na Ponta das Baleias8, responsável por organizar trincheiras  na praia de Itaparica liderando um grupo de mais de 40 mulheres e homens na luta contra os inimigos portugueses. 
A professora Eny Kleide¹°, no livro “Maria Felipa a Heroína da Independência da Bahia”, faz em seu primeiro capítulo um breve estudo sobre Maria Felipa de Oliveira e que permite compreender mais sobre a história social da heroína negra. O segundo capítulo relata a participação de Felipa no contexto da Independência da Bahia. 

“Nasceu escrava, mas depois de liberta colocou a liberdade como maior tesouro de sua vida, moradora da Ilha de Itaparica,  negra, alta, desde cedo aprendeu a trabalhar como marisqueira, pescadora, trabalhadora braçal que aprendeu na luta da capoeira a brincar e a se defender, que vestia saias rodadas, bata, torso e chinelas,  líder de um grupo de mais de 40 mulheres e homens de classes e etnias diferentes, onde vigiava a praia dia e noite a fortificando-as com trincheiras para prevenir a chegada do exército inimigo, organizava o envio de alimentos para o interior da Bahia (recôncavo), atuando na luta pela libertação da dominação portuguesa. Lutou ao lado de mulheres, a exemplo de Joana Soaleira, Brígida do Vale e Marcolina, também anônimas desse processo histórico de luta e resistência”.11

Felipa não estava satisfeita com a função de retaguarda. Resolveu partir para o combate. Sabia que uma frota de 42 embarcações se preparava para atacar os lutadores na Capital baiana. Pensou um plano e juntou 40 companheiras para executá-lo.

Saíram “vestidas para matar”. Seduziram a maioria dos soldados e seus comandantes e levaram-nos para um lugar ermo. Quando eles, animados, ficaram sem roupa, elas aplicaram-lhes uma surra de cansanção (planta que dá uma terrível sensação de ardor e queimadura na pele); enquanto isso, um grupo incendiava as embarcações.

Esta ação foi decisiva para uma tranquila vitória sobre os portugueses em Salvador, permitindo que as tropas vindas do Recôncavo entrassem triunfalmente, sob os aplausos do povo, no dia 2 de julho de 1823. Maria Felipa continuou sua vida de marisqueira e capoeirista, admirada pelo povo de Itaparica. Faleceu no dia 4 de janeiro de 1873.12

Durante esses anos a trajetória dessas mulheres negras baianas, a exemplo de Felipa, ficou anônima sendo lembrada apenas nos conteúdos escolares por referências negativas, quando são citadas como baderneiras, arruaceiras e bandidas, criando assim uma identidade indissociável da mulher negra ao crime. Uma imposição racista histórica, que leva a figura feminina negra a ter suas características estéticas marginalizadas e riscadas da existência.

Maria Felipa timidamente vem sendo inserida nos desfiles oficiais do 7 de setembro, já que por muito tempo foi lembrada somente pelo Grito dos Excluídos, reconhecendo de que “muitas surras de cansanção” e queima de navios ainda serão necessárias para se lembrar das heroínas negras na proclamação do 2 de Julho.


REFERÊNCIAS:

* André Carvalho – Graduação de Licenciatura e Bacharelado em História, Coordenador do Memorial da Câmara Municipal de Salvador
2 - O Riacho do Ipiranga é o nome de um córrego localizado na cidade de São Paulo, no Brasil. Por muito tempo foi usado o nome rio por historiadores, devido ao quadro pintado por Pedro Américo que faz uma ilustração gloriosa para a declaração simbólica da Independência do Brasil pelo então príncipe e herdeiro do trono de Portugal, D. Pedro I, em 7 de setembro de 1822. 
3 - Licenciada e bacharel em História pela Universidade Federal da Bahia.
4 - APEB – O Estado da Bahia, 01/02/1933.
5 - Para saber mais sobre a representação da imagem Ana Nery, ver: http://www.cms.ba.gov.br/memorial_acervo.aspx    
6 - APEB – O Estado da Bahia, 01/02/1933.
7 -   Currículo do professor Acessar: lattes -  http://lattes.cnpq.br/0844644366204724
8 -   Casarão que tinha esse nome porque abrigava os que só tinham de seu o sol e a lua. FARIAS, Eny Kleyde Vasconcelos – MARIA FILIPA DE OLIVEIRA – HEROÍNA DA INDEPENDÊNCIA DA BAHIA – Itaparica – Bahia, p 2010. P 124.
10 - Autora - Eny Kleyde Vasconcelos Farias é educadora, mestre em educação pela Universidade Federal da Bahia " UFBA. Estudou no Estado de Israel, é professora universitária, tendo ensinado Psicologia na UFBA e História da Educação na Faculdade de Educação da Bahia e no Centro de Estudos de Pós Graduação Olga Mettig. Trabalha com a prevenção da violência, com a cidadania e com patrimônios nas comunidades.
11 - FARIAS, Eny Kleyde Vasconcelos – MARIA FILIPA DE OLIVEIRA – HEROÍNA DA INDEPENDÊNCIA DA BAHIA – Itaparica – Bahia, p 2010. P 01 – 148. 
12 - FARIAS, Eny Kleyde Vasconcelos – MARIA FILIPA DE OLIVEIRA – HEROÍNA DA INDEPENDÊNCIA DA BAHIA – Itaparica – Bahia, p 2010. P 138. 


BIBLIOGRAFIA:

FARIAS, Eny Kleyde Vasconcelos. MARIA FILIPA DE OLIVEIRA – HEROÍNA DA INDEPENDÊNCIA DA BAHIA – Itaparica - Bahia/2010. 
JORNAL O ESTADO DA BAHIA – 1º de Julho de 1933.
JUNIOR, Álvaro Pinto Dantas de Carvalho, Filho, Ubaldo Marques Porto.  2 DE JULHO INDEPENDÊNCIA DA BAHIA E DO BRASIL, Salvador - Bahia/2015.

12 | ADALBERTO LIMA LOPES DA SILVA

27 | ADAUTO DOS SANTOS FERREIRA

04 | ADRIANA DE OLIVEIRA FERREIRA

25 | ADRIELE MATOS DE AZEVEDO

+ Ver todos

ferramentas de gestão

agenda da câmara

ramais e e-mails

contracheque

escala de férias

telefones úteis

Portal CMS